Ronalducho e Pelé: dinheiro ou felicidade? | Balaio do Kotscho
iG

Publicidade

Publicidade
24/12/2008 - 17:42

Ronalducho e Pelé: dinheiro ou felicidade?

Compartilhe: Twitter

Pelé, exemplo do passado para o presente e o futuroO melhor texto que li para a gente refletir sobre a vida neste dia de Natal foi publicado em O Globo na edição do último dia 19, sexta-feira. Guardei-a para partilhar com vocês hoje o artigo “Ronaldo está doente”, do escritor Roberto Lima Netto, ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional.

O leitor pode, com toda razão, me indagar o que têm a ver com o Natal o antigo Ronaldo Fenômeno, hoje mais conhecido por Ronalducho, e o eterno Rei Pelé.

Mas, certamente, entenderá as lições que nos dão estes dois ídolos do futebol, um em episódio do início da sua longa trajetória e outro em precoce final de carreira, ao ler os trechos selecionados que publico abaixo.

No final deste post comento uma coincidência digna de Natal: por uma destas finas ironias da vida, na seção “Há 50 anos” da mesma edição de O Globo, o jornal publica a nota  “Pelé dá lição de humildade a colegas”, escrita quando o futuro Rei ainda estava apenas começando.

Primeiro, Roberto Lima Netto:

“Uma epidemia assola a civilização ocidental e se espalha rapidamente pelo mundo.

Ronaldo, um menino bom de bola, descoberto no São Cristóvão, de saudosa memória, passou por grandes clubes no Brasil e no mundo. Teve a sorte de fazer carreira em um tempo em que os bons esportistas nunca foram tão bem remunerados pelo uso de sua imagem.

Provavelmente, Ronaldo ganhou, em um único ano, mais do que Pelé em toda sua carreira. Ronaldo é milionário, mas está doente, uma perigosa doença do mundo moderno.

E qual é essa doença?

O homem ocidental acha que a felicidade se compra com dinheiro. Se está infeliz, compra uma casa nova, um carro novo, dois, três. Essa doença se chama materialismo. Muitos ainda não perceberam que a satisfação da próxima compra é fugidia, dura pouco tempo.

Para comprar mais, alguns trabalham mais e mais, dezesseis horas por dia, inclusive sábados e domingos. Têm que subir na vida, têm que ganhar mais dinheiro para, depois de ricos, serem felizes. Será que serão?

Deixando em segundo plano a família, sem tempo para os filhos, que tentam comprar com grana, não entendem quando eles se perdem nos descaminhos da vida(…)

Voltemos ao nosso herói, Ronaldo, cujo problema não é excesso de trabalho, mas de dinheiro. Ele declarou que o Flamengo é seu time de coração. Com a fortuna que ganhou, poderia jogar mesmo sem salário. Seria um golpe magistral, e vou explicar a razão.

Ronaldo é flagrado fumando em iate, em julho de 2008 / Crédito - The SunRonaldo sofre a doença do materialismo. Deixou de lado a felicidade de jogar no time do coração para ganhar uns trocados a mais _ para ele, trocados mesmo (…).

Estamos usando um episódio da vida de um homem famoso, um dos maiores jogadores brasileiros de todos os tempos, em busca de uma lição. O homem atual se ilude quando pensa que mais dinheiro lhe trará mais felicidade. Felicidade não se compra com dinheiro. Às vezes, até atrapalha”.  

Volto eu. Agora vamos voltar 50 anos no tempo e falar de um episódio do início da carreira daquele que se tornaria o maior jogador de futebol e o brasileiro mais famoso de todos os tempos. Saiu em O Globo de 19 de dezembro de 1958, seis meses depois do futuro Rei se sagrar campeão do mundo, aos 17 anos, na Suécia:

“O craque Pelé, da nova geração do futebol brasileiro, acaba de dar um grande exemplo aos seus colegas velhos e novos. O artilheiro recordista do Brasil _ fez 58 goals este ano _, encontrando-se com o presidente da Federação Paulista de Futebol, Mendonça Falcão, afirmou que estava pronto para disputar uma vaga na seleção para o Sul-Americano. Declarou, ainda, que deseja fazer goals em Buenos Aires.

Mas pedia apenas uma coisa aos dirigentes do futebol bandeirante: “Espero poder passar o Natal e o Ano Novo com a minha mãe, em Bauru. Depois estarei o ano todo à disposição do Santos, da FPF e da CBD”. Para um jovem de 18 anos, nada é preciso acrescentar.”

Nem eu acrescentaria mais nada, se, ainda na mesma edição do mesmo jornal, não tivesse lido uma notinha publicada na coluna do competente Renato Maurício Prado sobre a demissão do ex-craque Adílio, que dirigia os juniores do clube há quatro anos, com ótimos resultados:

“Bebeto, companheiro do técnico em seus tempos de jogador, se diz inconformado e preocupado com a atual situação das divisões de base rubro-negras. Cogita até transferir seu filho Matheus, de 15 anos (uma das maiores promessas do clube), para o São Paulo”.

Bebeto pai, hoje apenas torcedor do Flamengo, certamente está mais preocupado com a felicidade do que com o dinheiro que Matheus filho pode ganhar na vida. Para isso, nem precisa ser um novo Pelé. Basta não virar um novo Ronaldo, o triste menino rico do nosso futebol.

Autor: Ricardo Kotscho - Categoria(s): Blog Tags:

Ver todas as notas

168 comentários para “Ronalducho e Pelé: dinheiro ou felicidade?”

  1. Conan disse:

    Os IMBECIS brasileiros discutem FUTEBOL como se fosse algo MUITO IMPORTANTE para a HUMANIDADE, como se estivessem discutindo príncipios de valor inestimável para a sociedade….se acham inteligentes por “entenderem de futebol”…..são arrogantes, metidos a besta….assistem “mesas redondas” como se estivessem assistindo à uma peça de Shakespeare…..rararara…..que piada…que povinho de merda….

  2. Edmar C. Lima disse:

    Gente, a doensa do Ronaldo não é materialismo é idiotismo mesmo. Pessoa que recebeu tantas bençãos, ganhou tanto dinheiro, foi transformado em ídolo da garotada, tinha que ter mais responsabilidade social: dar bons exemplos; cuidar-se; fazer o bem sem alarde. Foi cognominado “fenômeno” pelos cronistas esportivos e não entendeu que o fenomenal é como pode ainda ser usado, mesmo sem ser mais querido por quem gosta de bom futebol aliado a boa índole. Pela formação, pela bola que joga, pelo potencial pra ser bom exemplo pros nossos jovens, esqueçamos o Ronaldo e coloquemos o CACÁ na vitrine! Aquele sim, é craque e é HOMEM

  3. Pele pra voce quem te ensinou a jogar bola voce esque de pelomenos uma homenagen dos que voce fez sabe quem é. Ta falado. E voce gorducho. Kakkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Fui.

  4. alberto santos disse:

    Ricardo, é certo que tudo tem a ver com o natal. Principalmente quando procuramos endeusar simples mortais. Devemos analizar algumas coisas. Como uma pessoa que se nega a dar o nome aos filhos, mesmo após toda e qualquer comprovação de paternidade. Alem disto se nega a comparecer aos funerais da propria filha. É, tem tudo a ver com o natal.
    E o Ronaldo ??? É um probre menino rico. A comparação foi muito infeliz.

  5. JJLABORET disse:

    Pera lá KOTSCHO,

    A frase: – “O craque Pelé, da nova geração do futebol brasileiro, acaba de dar um grande exemplo aos seus colegas velhos e novos.”

    Pois…pois!
    O grande exemplo dado é logo em referência àquele que se recusou reconhecer a paternidade de uma menina que apenas implorava pela bênção de um pai, e que morreu esperando por um simples abraço não de Pelé, mas sim de seu pai Edson Arantes do Nascimento!

    Pelé foi grande sim, mas apenas na sua arte. No lado pessoal, Edson Arantes do Nascimento jamais se igualaria a um Ronaldo Nazário. Nem em virtudes nem em defeitos. Ronaldo fenômeno pode não ter a altura da arte de Pelé, porém Ronaldo Nazário é maior do que a máquina Edson Arantes nas virtudes assim como nos defeitos. Portanto é humano..

    No auge da fama, Pelé dedicou seu milésimo gol “às criancinhas”. Nada mais que um gesto. Nem um tostão saiu dos seus bolsos desde à época até os dias atuais.
    O grande pelé é um sovina avarento.
    Isso não se pode dizer de Ronaldo, que sempre tem auxiliado creches, Hospital Infantil do Câncer, campanhas beneficentes e é embaixador da ONU para causas humanitárias.
    Recentemente, Ronaldo doou para os desabrigados de Santa Catarina, 40 toneladas de mantimentos e uma grande quantidade de remédios.
    Cadê o Pelé? Alguém é capaz de apontar quais suas obras em prol do social?

    Frase de Pelé pelo seu milésimo gol: “quero dedicar esse milésimo gol às criancinhas”.
    Demagogo! Como se as criancinhas vivessem esperando, doentes ou famintas pelo seu milésimo gol no Maracanã!

    Quanto a acusar o Ronaldo de “materialismo”, que é isso, KOTSCHO? Recaída de espiritualista ou influência de Dom Ivo Lorscheider?
    Deixe por menos e leve em conta que é apenas um jovem, como todos os demais!
    Qual o jovem que não sonha com uma moto envenenada? Um carrão, roupas da moda, tênis importado, lanchonetes, boates, meninas pra “ficar” e uma linda namorada?

    Enfim…”quod homines tot sensitiae”

  6. Anônimo disse:

    Ronaldo sempre mediu suas palavras antes de se pronunciar,
    e sempre horou seus compromissos, e já deu a volta por cima varias vezes, acredito que vencerá mais está.
    voces teram que

    vai Ronaldo!!!!!!!!!!

  7. Romaldo Oliveira disse:

    E agora, o que falar do Ronaldo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Vai em frente Ronaldo, parabéns pela persistência, competência e detrminação.

    Abraços,

    Roma

  8. adão disse:

    Ronaldo para mim é um vencedor um grande jogador ele sabe oque fazer com a bola mesmo um pouco fora de forma mas isso não tira seu mérito de FENOMENO parabens Ronaldo.

Deixe um comentário:

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

Os campos com * são de preenchimento obrigatório







Voltar ao topo

oferecimento