Bíblia De Mogúncia | Mona Dorf

quarta-feira, 14 de setembro de 2011 Entrevista, Passeios, Patrimônio | 08:00

Obras raras e muita história na Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro

Compartilhe: Twitter

Mais de 9 milhões de obras! A Biblioteca Nacional é considerada pela Unesco uma das dez maiores bibliotecas nacionais do mundo.  ”O prédio sede tem dois armazéns com seis andares, em cada andar cerca de 450 estantes que estão cheias”, mostra Mônica Rizzo, diretora do centro de referência e difusão. Ela explica: “a Biblioteca recebe um exemplar de tudo o que é publicado no país como forma de preservação da memória nacional”.  Há cem anos, o acervo da Biblioteca Nacional está preservado no edifício de estilo eclético, na Cinelândia, Rio de Janeiro, onde hoje funciona a sede da Fundação Biblioteca Nacional. 

Biblioteca Nacional/ Foto: Ricardo Figueira

O acervo da Biblioteca Nacional é formado originalmente pela antiga livraria de D. José, que foi organizada por Diogo Barbosa Machado, Abade de Santo Adrião de Sever, para substituir a Livraria Real, que foi consumida pelo incêndio que se seguiu ao terremoto de Lisboa de 1º de novembro de 1755. O início da Real Biblioteca no Brasil está ligado a vinda de toda a família real e da corte portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808.

“Essa coleção chegou aqui em 3 etapas e era formada por cerca de 66 mil peças muito importantes como manuscritos raros e livros publicados desde o século XV”, conta Mônica. Inicialmente tudo foi acomodado numa das salas do Hospital do Convento da Ordem Terceira do Carmo, na Rua Direita, hoje Rua Primeiro de Março. Em 1810, um decreto do Príncipe Regente determinou que o lugar acomodasse a Real Biblioteca. Sendo assim, a data de 29 de outubro de 1810 é considerada oficialmente como a da fundação da Real Biblioteca que, no entanto, só foi aberta ao público em 1814.
 

“Mesmo com a volta da família real, a coleção permaneceu no Brasil e foi parte de nosso Tratado de Paz e Amizade com Portugal. Ela foi paga como parte da compensação devida pelo Brasil a Portugal pela perda que eles tiveram com a nossa independência. É uma memória que pertence a Brasil e Portugal, mas é de nossa propriedade”.

O prédio atual teve sua pedra fundamental lançada em 15 de agosto de 1905 e foi inaugurado cinco anos depois, em 29 de outubro de 1910. Projetado pelo General Francisco Marcelino de Sousa Aguiar, a construção foi dirigida pelos engenheiros Napoleão Muniz Freire e Alberto de Faria.

As instalações do novo edifício correspondiam na época de sua inauguração a todas as exigências técnicas: pisos de vidro nos armazéns, armações e estantes de aço com capacidade para 400.000 volumes, amplos salões e tubos pneumáticos para transporte de livros dos armazéns para os salões de leitura: ”o prédio foi projetado e planejado para ser uma biblioteca. É um prédio robusto que aguenta muito peso e foi inaugurado na data do centenário da Biblioteca, ou seja, a Biblioteca tem 200 anos e o prédio tem 100. É um prédio muito bonito, as estantes são todas em aço”, completa Mônica.

Livros raros: Bíblia de Mogúncia

O acervo de obras raras é constituído de material bibliográfico diversificado – livros, folhetos, folhas volantes, periódicos – e selecionado segundo parâmetros que o consideram raro ou precioso. Segundo esses parâmetros, não basta ser antigo, é preciso ser único, inédito, fazer parte de alguma edição especial, apresentar uma encadernação de luxo ou, até mesmo, ter o autógrafo de personalidades célebres como D. Pedro II, Coelho Neto, Carlos Drummond de Andrade, Jorge Amado.

Um dos livros mais raros deste acervo é a famosa Bíblia de Mogúncia impressa em 1462, pouco tempo depois da descoberta da imprensa por sócios de Guttemberg. Aqui, também estão a primeira edição de Os Lusíadas(1572); o Rerum per octennium…Brasília, de Baerle (1647), com 55 pranchas a cores desenhadas por Frans Post; e o menor livro do mundo que, com apenas um centímetro de comprimento, ensina o “Pai Nosso” em sete línguas.

A divisão de Manuscritos comporta cerca de 900.000 documentos e surgiu como complemento do acervo da Real Biblioteca com, aproximadamente, mil códices manuscritos e avulsos (documentos oficiais). Ao longo do tempo foram incorporados ao acervo outros importantes conjuntos documentais: “esse manuscrito foi oferecido ao príncipe João que depois viria ser D. João VI por um bacharel português. É muito interessante porque foi feito todo em pergaminho, como os livros medievais, e ele é mais ou menos uma espécie de O Príncipe de Maquiavel só que ‘menos maquiavélico’. São sonetos para o príncipe explicando como ele deve governar, como deve se comportar com seu povo. Cada soneto é ilustrado por emblemas que são ilustrações feitas a mão. Todo o livro é feito a mão”, explica a bibliotecária Ana Lúcia Merege.

“Esse outro é um dos códices de Francisco Lemão, que foi médico e botânico no século XVIII.  Ele deixou cerca de 3800 páginas de seus diários de campo mostrando uma parte interessante da flora brasileira, principalmente na região sudeste, e que hoje tem a maior importância para pesquisadores na área da flora e da botânica. Nosso trabalho não é só descrever esses documentos, mas também disponibilizar. Estamos trabalhando para fazer com que esses documentos sejam digitalizados e se tornem acessíveis online”.

Texto: Anapaula Ziglio/ Reportagem: Mona Dorf

 

Veja também:

Real Gabinete Português de Leitura, passeio imperdível no Rio

Biblioteca do futuro

Biblioteca Nacional
Avenida Rio Branco, 219 -Rio de Janeiro
De 2ª a 6ª feira de 9:00 às 20:00 horas/ Sábados de 9:00 às 15:00 horas

Autor: Mona Dorf - Categoria(s): Entrevista, Passeios, Patrimônio Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

© Copyright 2000-2011, Internet Group - Portais: iG, iBest e BrTurbo