Fábio Sormani

Publicidade

terça-feira, 2 de outubro de 2012 Sem categoria | 18:08

ATÉ BREVE!

Compartilhe: Twitter

Meu casamento com o Portal iG chega a seu final nesta terça-feira, 2 de outubro de 2012. Foram mais de dez anos ao longo de duas passagens por aqui. Sentirei saudades desta casa, é claro.

Quero agradecer a todos que trabalharam comigo pelo respeito, coleguismo e profissionalismo. Aprendi muito com todos vocês, tenham certeza. E quero aproveitar também para elogiar a seriedade do iG, que sempre cumpriu com todas as suas obrigações para comigo, além de me ter dado muitas oportunidades.

O botequim fecha as portas hoje, mas estarei reabrindo-o em outro lugar. Vou continuar com o blog em outro importante portal brasileiro. Não posso dizer neste momento qual é.

Os que me seguem no Twitter (@FRSormani) em breve saberão o local onde o botequim vai reabrir as suas portas. Se você ainda não me segue, faça-o agora.

Um abraço a todos e até breve.

Autor: Fábio Sormani Tags:

segunda-feira, 1 de outubro de 2012 NBA, outras | 23:26

NA NBA TÉCNICO NÃO GANHA MAIS QUE JOGADOR. NO FUTEBOL BRASILEIRO, SIM

Compartilhe: Twitter

Tom Thibodeau assinou na tarde desta segunda-feira um novo contrato com o Chicago. Serão US$ 20 milhões por um acordo de quatro anos.

Isso vai dar a Thibs US$ 5 milhões por temporada. Por mês, US$ 416,67. Em nossa moeda, o salário anual do treinador do Bulls (foto) equivale a R$ 10,13 milhões. Se dividirmos por 12, teremos cerca de R$ 850 mil por mês.

Muricy Ramalho é o técnico mais bem pago do Brasil: renovou recentemente com o Santos por mais um ano em troca de R$ 750 mil e quando Neymar não joga, o aproveitamento da equipe é apenas 25,0% — melhor apenas do que o do Atlético-GO, lanterninha do campeonato, que tem 24,0%. Luís Felipe Scolari recebia do Palmeiras R$ 700 mil por mês. Pediu demissão há algumas semanas, pois não conseguia tirar o time da zona do rebaixamento. Tite (exceção neste deserto de competência) teve seu salário reajustado pelo Corinthians e receberá R$ 550 mil mensais. Wanderley Luxemburgo fatura R$ 520 mil do Grêmio e não ganha um campeonato importante desde 2004, quando foi campeão brasileiro com o Santos. Completando esse “top 5”, aparece Dorival Júnior, técnico do Flamengo, que recebe R$ 450 mil e não faz o time deslanchar: no returno, o rubro-negro é o 19º colocado.

Os salários de Muricy e Felipão se aproximam ao de Thibs. E olha que existe um abismo, uma distância colossal, entre os faturamentos da NBA e do futebol brasileiro.

Além disso, enquanto no basquete o técnico tem uma importância considerável, no futebol ela é muito pequena. No basquete, os treinadores podem tirar e colocar jogadores de acordo com a conveniência da partida, têm à disposição sete pedidos de tempo, mais os tempos da televisão, têm a seu favor o fato de a quadra ser bem menor do que o campo de futebol, o que permite uma interação maior entre treinadores e atletas. No futebol isso não existe. Os técnicos podem trocar apenas três jogadores, não têm os pedidos de tempo a seu favor e o campo é gigantesco se comparado com uma quadra de basquete.

Muricy (foto) mesmo costuma dizer que a importância de um treinador é de 25% no rendimento de um time de futebol. Se é tão pequena assim (e o depoimento é de um treinador que tem quatro títulos brasileiros e uma Libertadores), por que nossos cartolas pagam tanto para um treinador?

Aqui no Brasil, treinador ganha mais que a estrela do time. Vejam o caso de Neymar. O Santos paga a ele R$ 500 mil. Os outros R$ 2,5 milhões vêm de patrocinadores. Ou seja: Muricy ganha mais do que Neymar! Valdívia, maior salário do Palmeiras, ganha R$ 600 mil. Ou seja: Felipão também faturava mais do que a estrela da companhia. No Grêmio, Kléber é o maior salário: R$ 400 mil, R$ 120 mil a menos do que Luxemburgo.

Na NBA, nenhum treinador ganha mais do que a estrela do time.

Se Thibs vai ficar com US$ 5 milhões nesta temporada, Derrick Rose, o astro da franquia, tem garantido US$ 16,4 milhões. No Oklahoma City, Scott Brooks também acabou de renovar o contrato: US$ 16 milhões por quatro temporadas; US$ 4 milhões por campeonato trabalhado, enquanto que Kevin Durant, o melhor jogador do time, ganha US$ 16,6 milhões por ano. No Lakers, Mike Brown recebe US$ 4,5 milhões e Kobe Bryant US$ 27,8 milhões. Querem mais? Pois não: Doc Rivers ganha por ano do Boston US$ 7 milhões e Paul Pierce, maior salário do time, vai amealhar US$ 16,7 milhões; Gregg Popovich vai faturar US$ 6 milhões do San Antonio, já Manu Ginobili ficará com US$ 14,1 milhões.

Na Europa, treinadores também não ganham mais do que os astros. Tito Villanueva não recebe mais do que Messi; nem mesmo Pep Guardiola tinha um salário maior do que o argentino. Idem para Mourinho em relação a Cristiano Ronaldo no Real Madrid. Não sei quanto ganha Roberto DiMateo, mas eu duvido que ele fatura mais do que Frank Lampard.

Enquanto isso, aqui no Brasil…

Tudo errado, minha gente. Escrevi esse post para mostrar outra das aberrações do futebol brasileiro, embora o nosso botequim seja um botequim de basquete. Mas o fiz traçando um paralelo com o basquete e principalmente com a NBA. Os cartolas brasileiros ainda não perceberam que técnico não entra em campo. Na Europa todos sabem disso; na NBA também.

Os treinadores no basquete, como disse, têm uma importância muito maior do que no futebol. Mesmo assim, eles não entram em quadra. E no futebol, onde a relação dos “professores” com o jogo é muito menor, aí é que eles têm que ganhar menos mesmo.

Nossos cartolas, lamentavelmente, ainda não se aperceberam disso. E lesam os combalidos cofres de suas respectivas agremiações pagando verdadeiras barbaridades para quem tem uma influência muito pequena no espetáculo.

Autor: Fábio Sormani Tags: , , , , , , ,

domingo, 30 de setembro de 2012 outras | 12:21

JAY-Z ABRE A BLACK HOUSE E LANÇA NOVO UNIFORME DO BROOKLYN NETS

Compartilhe: Twitter

O Barclays Center, lar do Brooklyn Nets, foi aberto na última sexta-feira. E com um show de Jay-Z, um dos proprietários da franquia. Um espetáculo; no melhor estilo deste que é um dos maiores rappers da atualidade.

Em agosto de 2010 eu assisti a um show de Jay-Z no Radio City Music Hall de Nova York. Foi, seguramente, uma das maiores performances que eu vi na vida. E olha que eu já vi muita coisa boa nessa vida, especialmente de jazz, minha música favorita. Assisti ao vivo Oscar Peterson (foto), Sonny Rollins, Gil Evans, Chick Correa, Modern Jazz Quartet, Ahmad Jamal, Wayne Shorter, John Pizarelli, Diana Krall, Nicholas Payton, Ray Charles, Christian Scott, Dizzie Gillespie, Joe Pass, Milt Jackson, Mike Stern, Stanley Clarke, Joe Zawinul, Philip Catherine, John Luc-Ponty, Pat Metheny, John McLaughlin, Stepan Grapelli, Wynton Marsalys, Branford Marsalys, Jimmy Smith, Cyrus Chestnut, George Benson, ufa!, tem mais, mas assim, de supetão, eu não me lembro de todos.

Gente da pesada. Se você gosta de jazz sabe muito bem do que falo. E quando eu vi o show de Jay-Z no Radio City, não nutria grande expectativa. Mas foi como uma paulada na moleira. A rap music é espetacular. Num primeiro momento, você pode ficar com um pé atrás. Mas se você deixar de lado o preconceito (especialmente se você é um cara que gosta de jazz como eu) e se entregar de corpo e alma à música, verá que ela trilha por caminhos jamais trilhados anteriormente. O rap subverte a estrutura musical. A percussão, pra mim, é emblemática: não tem uma lógica linear, vem sempre num contratempo subvertido, que dá a impressão de que tudo vai se perder a qualquer momento. Mas não acontece nada disso.

E ao contrário do jazz que é uma música mais contemplativa, o rap faz do espectador um elemento importante dentro daquele universo de interação pura entre música, artista e fãs. No show que vi no Radio City a parte próxima ao palco não tinha as poltronas. Foram retiradas. Ficou o pessoal do “geraldino”. Se você é do meu tempo, sabe do que falo. No Maracanã do passado, quem ia de arquibancada era chamado de “Arquibaldo”, quem ia de geral eram os “geraldinos”.

Quando falo em “geraldino” em um show de rap, falo daquela galera que se mergulha literalmente de cabeça no show. Que põe pra fora os “iás-iás”, como dizia o saudoso Ezequiel Neves, um dos maiores críticos de rock de todos os tempos, um cara que marcou minha adolescência. Gostava de seus textos e de suas ideias. Ezequiel que se autoapelidou de Zeca Jagger. O cara era o primeiro aluno da classe na matéria Rolling Stones no Brasil. Então, o pessoal do “geraldino”, eu dizia, num show de rap music põe pra fora os “iás-iás”, integra-se à música e dá um colorido todo especial ao show. Creio que 90% daquela galera que compõe o “geraldino” são de negros. E os negros, a gente bem sabe, são um povo sensorial, instintivo. Os brancos, ao contrário, são engessados. Não sabem usar o corpo como os negros usam. Podemos ver isso nos esportes, onde eles dominam quase que de cabo a rabo. Então, num show de rap, os “geraldinos” são basicamente formados de negros. E eles se integram ao espetáculo, interagem. Coisa de louco, só vendo mesmo.

E eu vi.

E na sexta-feira passada, quase 20 mil pessoas foram ao Barclays Center e também viram Jay-Z, como eu em 2010 no Radio City. Foi o show que marcou a abertura do ginásio do BK. The Black House, assim está sendo chamado o Barclays Center. Jay-Z usou a camisa oficial do time, a negra. Vestiu o calção por cima da calça. Ficou muito legal (foto).

O BK tem as cores do San Antonio em quadra: branco e preto. Mas o uniforme do BK ficou muito mais bonito. Sabem por quê? Porque O SAS é um time de brancos, enquanto que o BK é um time de negros.

Abelardo Sampaio, um de nossos parceiros, mandou o link de dois momentos do show. Não gostei muito. Por isso, deixo abaixo pra vocês curtirem o tema “Empire State of Mind”, canção de Alicia Keys e que foi transformada em um rap por Jay-Z. Os dois dividem o palco. E pra encerrar eu pergunto: quem é mais bonita, Alicia ou Beyoncé?

E não se esqueçam de me seguir no Twitter: @FRSormani. Nos próximos dias vou postar algo importante por lá.

Bom domingo a todos.

Autor: Fábio Sormani Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

sábado, 29 de setembro de 2012 NBA | 11:53

DIRETOR EXECUTIVO DA NBPA ESTÁ NA MIRA DA JUSTIÇA DOS EUA

Compartilhe: Twitter

Vocês pensam que bandalheira só tem aqui no Brasil? Engano; bandalheira tem em tudo quanto é lugar. A diferença é que aqui em nosso país ninguém é punido; nos outros lugares a punição existe.

Por que digo isso? Porque Billy Hunter, diretor executivo do sindicato dos jogadores (National Basketball Player Association — NBPA), um dos maiores idiotas da face da terra, o cara que sempre põe empecilho no momento das negociações e que sempre está atrás de pelo em ovo tumultuando o processo entre patrões (donos das franquias) e empregados (jogadores), Billy Hunter, eu dizia, está sob investigação por parte do Ministério Público dos EUA e de uma empresa de auditoria contratada pela NBPA.

Por que Hunter (foto) está na alça de mira? Porque além de ter faturado US$ 600 mil a mais do que no ano anterior, contabilizando um total de US$ 3 milhões em salários na temporada 2011-12, Hunter, desavergonhada e descaradamente, feito político, entulhou parentes na NBPA e em empresas que prestam serviços ao sindicato.

O levantamento foi feito pelo jornal “USA Today”.

Na folha de pagamento da NBPA aparecem Robyn Hunter, uma das filhas de Billy, bem como sua nora, Megan Inaba, a empresa de serviços financeiros Prim Capital, da qual o filho de Hunter é sócio, e o escritório de advocacia Steptoe & Johnson, que emprega Alexis Hunter, outra das filhas de Billy Hunter.

Uma vergonha.

O que se espera é que o veredito seja dado rapidamente e Hunter seja condenado por conta da evidência dos fatos.

O que se espera é que Hunter seja punido com a perda do cargo na NBPA, além de ter de prestar contas à Justiça por conduta inadequada e malversação de verbas.

E o que eu espero é que Hunter peça demissão imediatamente do cargo e se desculpe publicamente por conta de sua má conduta.

Bem, se tudo isso acontecer, o basquete profissional dos EUA estará livre de um dos sujeitos mais infames que já teve seu nome associado ao basquete profissional norte-americano.

RECADO

Fiquem atentos ao meu Twitter: @FRSormani. Estarei postando novidades por lá nos próximos dias.

Autor: Fábio Sormani Tags:

NBA | 00:46

NBA QUER PUNIR O ‘FLOPPING’ E CAMINHA PARA A ‘FUTEBOLIZAÇÃO’ DA LIGA

Compartilhe: Twitter

A mídia norte-americana noticia que a NBA vai punir o “flopping”. Ou seja: a simulação. Ou, se você preferir, o teatro.

Traçando um similar com o nosso futebol, seria o que fazem Neymar e Valdívia. Embora Neymar tenha diminuído dramaticamente o “cai-cai” (ele toma porrada mesmo!), o chileno do Palmeiras ainda insiste no “flopping”.

Quem seriam os caras a serem atingidos pela medida? Anderson Varejão está entre eles. E, dizem, encabeça a lista. Eu não vejo assim. Pra mim, o “flopper gangster” da NBA é Manu Ginobili (foto). Mas como o argentino tem grande nome na liga e conta com três anéis, além de jogar no San Antonio, o bucha estoura pro lado do Varejão.

Derek Fisher é outro “flopper”. Luis Scola também. Idem para Shane Battier. Querem mais? Raja Bell, Blake Griffin, Paul Pierce e Kevin Martin. A lista não é grande.

O mestre da simulação foi Vlade Divac. O sérvio era irritante. Quando jogava pelo Sacramento e duelava com o Lakers, o pessoal de Los Angeles ia à loucura com Divac.

Por falar nele, lembro-me que em 2004 eu entrei em um “Johnny Rockets” que fica na Promenade, Santa Monica (Los Angeles), e ele estava lá, sentado em um dos bancos giratórios onde é possível debruçar-se sobre o balcão. Estava só. Bebia uma Coca-Cola. Jogava no Sacramento na época, mas morava em Los Angeles. Entre, vi-o e fui ter com ele. Apresentei-me; disse que era do Brasil. Disse que era amigo de Oscar Schmidt. Contava eu que, com isso, fosse quebrar o gelo. Enganei-me. Divac não deu a menor bola pra mim ou para a minha história. Minha mulher tirou um retrato meu com Divac, eu agradeci e fui comer o meu hambúrguer.

Sujeitinho metido, disse minha mulher. Eu concordei.

Mas voltando à nossa história, dizia que a NBA vai criar regras para proibir o “flopping”. E o que isso significa? Significa que os árbitros terão mais poderes. Sim, pois o “flopping” é algo que pode ser interpretativo. Pra você pode ter sido; pra mim não.

Acho péssimo isso. A NBA está trilhando um caminho perigoso. Ela está se futebolizando — se é que existe esse termo — com certeza não existe, mas eu tomo a liberdade para essa licença poética.

A TNT já tem comentarista de arbitragem. Steve Javie, árbitro aposentado, é o Arnaldo Cesar Coelho da emissora a cabo norte-americana. Ridículo; nunca gostei disso. Arbitragem é algo que tem que passar despercebido, a menos que o erro seja grotesco. E se for, tem que ser abominado.

A NBA nunca teve isso e abre um sério precedente, pois está expondo a arbitragem de maneira covarde, como acontece no Brasil e no mundo do futebol com essas repetições em câmera lenta, onde tudo é falta, pois em câmera lenta tudo parece mesmo ser falta. Onde o tal do “tira-teima” condena um auxiliar num lance de centímetros. Covardia, como disse.

Agora vem essa história do “flopping”. A simulação nunca causou mal algum ao jogo. Nunca decidiu campeonato. Pra que fazer isso? Pra que dar esse poder ao árbitro, que, na verdade, só irá enterrá-lo aos olhos da opinião pública?

Sim, pois, como disse, o “flopping” é interpretativo. E se é interpretativo, pra mim pode ter sido e pra você não. Então, pra que isso? O que a NBA quer de fato? Quer criar polêmica? Quer, com isso, aumentar sua exposição na mídia e na boca dos torcedores?

Realmente, não gosto. Realmente, não aprovo.

É a futebolização da NBA.

Péssimo!

Autor: Fábio Sormani Tags: , , , , , , ,

quinta-feira, 27 de setembro de 2012 NBA | 23:56

ESPN GRINGA ACERTA AO ELEGER LEBRON JAMES O MELHOR JOGADOR DO MUNDO, MAS ERRA COM KOBE BRYANT

Compartilhe: Twitter

CURITIBA — O site da ESPN gringa terminou na tarde desta sexta-feira seu ranking anual com os 500 melhores jogadores da NBA. O fez pelo segundo ano consecutivo. E pelo segundo ano consecutivo LeBron James (foto) foi eleito o melhor jogador da NBA.

Fanatismo à parte, incontestável. LBJ é mesmo hoje em dia o maior jogador de basquete do planeta. O que ele fez nos playoffs e nas finais da NBA no ano passado foi de deixar boquiaberto até mesmo aqueles que se deixam cegar pelo fanatismo. Queiram ou não os fãs de Kobe Bryant e Kevin Durant, King James é mesmo o maior jogador de basquete do planeta na atualidade.

Por falar em Durant, ele ficou em segundo. No ano passado, foi o sexto colocado. Novamente os jornalistas da ESPN, que votaram, acertaram em cheio. KD é de fato o segundo melhor jogador da NBA (e do planeta).

O problema vem a seguir.

Dwight Howard, que na eleição do ano passado ficou em segundo lugar (pra mim um equívoco), caiu para o terceiro posto. Chris Paul manteve-se na quarta posição e Derrick Rose, oitavo no ano passado, foi o quinto colocado. Kobe, sétimo em 2011, agora é o sexto.

Paro por aqui; e pergunto: vocês concordam com Kobe em sexto lugar?

Eu não concordo. E volto a perguntar: se você fosse dono de uma franquia, você começaria a montar seu time com Dwight Howard, Chris Paul, Derrick Rose ou Kobe Bryant?

Falo do momento. Não me venham com resposta do tipo: há, escolho o fulano porque Kobe está com 34 anos e não se pode começar uma franquia com jogador com essa idade. Não, não é isso o que eu perguntei.

Eu perguntei: HOJE (pois a eleição fala dos melhores da atualidade), apenas pra HOJE, você começaria seu time com D12, CP3, D-Rose ou Kobe?

Obviamente que qualquer um começaria com Kobe. Não imagino que alguém deixe LBJ ou KD, HOJE, atrás de Kobe. Mas ele atrás de D12, CP3 e D-Rose é demais!!!

Os caras da ESPN tinham tudo para desta vez acertarem na mosca. Mas voltaram a pisar na bola.

E o que dizer de Kevin Love é em sétimo?!?!?! E Deron Williams em décimo?!?!?!

O meu ranking dos dez melhores da atualidade ficaria assim:

1º LeBron James
2º Kevin Durant
3º Kobe Bryant
4º Tony Parker
5º Derrick Rose
6º Chris Paul
7º Rajon Rondo
8º Dwight Howard
9º Dwyane Wade
10º Russell Westbrook

Autor: Fábio Sormani Tags: ,

quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Basquete europeu, NBA, Seleção Brasileira | 10:10

NENÊ DEVE PERDER TODA A PRÉ-TEMPORADA DO WASHINGTON

Compartilhe: Twitter

Nenê deve ficar de fora da pré-temporada do Washington. Motivo: seu crônico problema na planta do pé (não me lembro se no direito ou no esquerdo ou mesmo se nos dois pés).

Infelizmente, Nenê Hilário tem neste o seu maior adversário. Seus movimentos e seu tempo de quadra se reduzem dramaticamente por conta da enfermidade. Não fosse assim, seguramente seu desempenho seria outro.

Ele poderia ser mais eficiente na NBA. Poderia ter sido ainda mais eficiente nos Jogos Olímpicos.

Aliás, o problema se agravou por conta de ele ter disputado as Olimpíadas. A informação é do presidente da franquia, Ernie Grunfeld. O problema veio logo depois da estreia brasileira nos Jogos, diante da Austrália. Partida encerrada e Nenê (foto) começou a sentir dores. Foi assim até o término da competição.

“Nenê não teve muito tempo para descansar nas férias por conta de seu compromisso com a seleção do Brasil”, disse Grunfeld. “Portanto, nós teremos que ser muito, mas muito cautelosos mesmo com ele. Vamos aos poucos, até termos certeza de que ele está 100%”.

Nenê perdeu dez partidas consecutivas do Washington na temporada passada exatamente por causa desta enfermidade. Voltou no final da fase de classificação, quando jogou todas as cinco partidas derradeiras. Detalhe: cinco vitórias.

Nos 11 confrontos de Nenê com a camisa 42 do Wizards, o time da capital dos EUA fez uma campanha de 7-4. As vitórias foram obtidas por uma margem de 10,3 pontos por jogo. E seus números com o Washington são: 14,5 pontos e 7,5 rebotes. Detalhe: em menos de 27 minutos por jogo.

Nenê joga muito. Acho que seu fã-clube deve ter aumentado aqui no Brasil depois que ele participou das Olimpíadas de Londres e foi, ao lado de Marcelinho Huertas, nosso principal jogador.

Nenê joga muito. Na NBA de hoje, ele fica atrás apenas de Dwight Howard e de Andrew Bynum. Os demais ele ou coloca no bolso ou duela de igual para igual. Dentre os que ele coloca no bolso e passa um zíper está Tyson Chandler, que tem um enorme e inexplicável número de admiradores no Brasil.

Vamos torcer para que Nenê se recupere rapidamente. Já estou com o meu League Pass adquirido. Esta vai ser uma temporada entusiasmante. E desgastante. Vou me acabar de tanto ver jogos. E minha atenção estará voltada para Washington, Cleveland, Houston, Boston e San Antonio. E para o Miami e o Lakers, é claro.

Gostaria de centrar minhas atenções para outro time caso Leandrinho Barbosa assine contrato. O que, convenhamos, parece cada vez mais difícil de acontecer. Infelizmente.

Autor: Fábio Sormani Tags: , ,

terça-feira, 25 de setembro de 2012 NBA | 18:36

AS CRAVADAS EM CIMA DE PATRICK EWING E O ANIVERSÁRIO DE SCOTTIE PIPPEN

Compartilhe: Twitter

A princípio pode soar como uma baita sacanagem pra cima desse que é um dos maiores pivôs da história do basquete mundial. Mas uma coisa tem que ser dita: Patrick Ewing era um “bobão” quando tentava evitar uma enterrada.

Como vocês vão constatar o vídeo abaixo, a galera fazia Ewing de gato e sapato quando o encarava dentro do garrafão. A enterrada derradeira do vídeo, eleita obviamente a melhor de todas, é realmente espetacular.

O assunto me veio à mente ontem, quando eu postei o vídeo do Hakeem (vocês sabiam que no princípio era Akeem e depois ele mudou para Hakeem?). Tem um monte de enterradas de The Dream na fuça de Ewing.

PRIMAVERAS

Há pouco, olhando os TTs, vi Ben Osborne, repórter da “SLAM”, dizer que sua enterrada favorita de todos os tempos é exatamente esta última do vídeo em cima de Patrick Ewing. E sabem por que ele até postou uma foto (que reproduzo)? Porque é uma cravada de Scottie Pippen em cima do ex-pivô do New York. Scottie Pippen, o aniversariante do dia. Osborne homenageia Pip por conta de seus 47 anos.

Pippen é o Coutinho do basquete. Ele foi para Michael Jordan o que Coutinho foi para Pelé. Era impossível imaginar um sem o outro.

Claro que a relação de MJ com Pip foi mais duradoura e nada tumultuada, ao contrário do relacionamento entre Pelé e Coutinho. Este era cascudo, vivia brigando com Pelé. Cortaram relações. Coutinho é um cara amargurado. No filme do centenário do Santos foi o único que não participou, pois exigiu grana para isso.

Pip nunca foi assim. Pip adorava MJ. Nunca se incomodou em ganhar menos do que o Pelé do basquete, porque sabia exatamente qual era a sua posição dentro da franquia.

Por isso, achei muito estranho quando ele, ano passado, declarou que LeBron James poderia se tornar o maior jogador de basquete de todos os tempos. Primeiro, que isso não deverá se concretizar, pois assim como jamais aparecerá outro Pelé, jamais aparecerá outro Michael Jordan. Segundo, mesmo que se fosse verdade, em nome da amizade entre eles, Pip jamais deveria ter dito o que disse.

JORNALZINHO

Assim como MJ, vi Pippen ao vivo em 16 oportunidades. Ele era espetacular. Assim como era difícil falar com MJ, era difícil falar com ele. Pip gozava do mesmo prestígio de MJ. A mídia o requeria com a mesma intensidade.

Lembro-me que certa vez, em Chicago, depois de uma partida, eu estava no vestiário. Fiz uma pergunta a ele. Eu segurava um gravador com a mão direita e na esquerda tinha uma edição do “NBA News”, um jornalzinho mensal que a NBA distribuía gratuitamente para os jornalistas. Pip respondeu a pergunta e olhou para o jornal. E perguntou para mim: “Onde eu acho um desses?” Eu disse: na sala de imprensa, mas pelo que vi, não tem mais. E ele apenas balbuciou: “Hum…”

Randy Brown, que era o armador reserva do Chicago naquela época, viu a cena. Virou-se para mim e disse: “Pip quer o jornal”. Eu disse: mas eu só tenho esse! Ele insistiu: “Mas ele quer”. E eu entreguei-o a Pippen, que agradeceu, sorrindo.

Nunca mais vou me esquecer desse acontecido. Vejam que há dois momentos nessa história. A reverência e o respeito de Brown a Pippen e a minha capitulação. Mas não havia como negar aquele jornalzinho a este que me deu muitas alegrias ao longo dos tempos.

Pip, feliz aniversário, meu velho! Mas não se esqueça: Michael Jordan era, é e sempre será o maior de todos.

MUNDO QUE GIRA

Vejam vocês aonde eu fui parar. Estava falando que Ewing era um “bobão”, pois cansou de levar cravadas na fuça e acabei desembocando no aniversário de Scottie Pippen porque ele foi o responsável pelo maior “in your face” em cima de Ewing.

O vídeo está aí. Creio que vocês vão curti-lo.

Autor: Fábio Sormani Tags: , , ,

segunda-feira, 24 de setembro de 2012 NBA | 20:58

HAKEEM ACREDITA QUE O MIAMI PODE VENCER TRÊS DOS PRÓXIMOS CINCO CAMPEONATOS

Compartilhe: Twitter

Hakeem Olajuwon tem falado pelos cotovelos. E ele pode falar. Aliás, quando The Dream fala a gente para e ouve. Hakeem jogou muita bola.

Lembro-me de uma visita dele ao Brasil. Não me lembro do ano (êta memória!). Ele veio a São Paulo numa daquelas promoções não sei se da NBA ou de algum fabricante de material esportivo (de novo!).

Impressionava não apenas pelo tamanho, mas por emanar um fluido de sabedoria; sabedoria esportiva. E pela fala pausada, tranquila com que respondia a todos. Foi educado e atencioso com toda a mídia.

Lembro-me da visita de Kareem Abdul-Jabbar ao Brasil em 1994 (o ano agora eu me lembro). Kareem era bem diferente de Hakeem. Kareem era introspectivo, na dele. Não se esforçava nenhum pouco para ser agradável às pessoas. Mas, assim como Hakeem, tinha uma auréola em torno de sua cabeça, com o formato de uma bola de basquete.

Não, ambos não são santos. São seres humanos. Mas sempre pareceram divindades em quadra (foto).

PREVISÃO

Falo de Hakeem porque ele está falando pelos cotovelos. Depois de ter dito que os dois títulos conquistados por ele e pelo Houston foram merecidíssimos e que nem mesmo o Chicago de Michael Jordan teria roubado-lhes a glória, o nigeriano naturalizado norte-americano disse o seguinte para quem quiser ouvir: “O Miami pode ganhar três dos próximos cinco campeonatos da NBA”.

E agora, José? O que vocês me dizem?

JUSTIFICATIVAS

A previsão de Hakeem se dá por conta da presença de LeBron James. O ex-pivô do Houston treinou LBJ no verão passado.

King James foi atrás de um sonho: do sonho de ser campeão da NBA. Primeiro deixou o Cleveland e se juntou a Dwyane Wade e Chris Bosh em Miami. A decepção da perda do título para o Dallas fez LeBron dar o segundo passo: procurar Hakeem Olajuwon, pois ele queria realizar o sonho de ser campeão e de repetir Magic Johnson como um jogador completo, que pode jogar nas cinco posições com a mesma intensidade.

LBJ procurou Hakeem para que ele o ensinasse a jogar no “low post”, de costas para a cesta. Hakeem fazia isso com perfeição. Seu “fade-away jump” era espetacular. Seu “spin move” não ficava atrás. E os passes eram igualmente perfeitos. Patrick Ewing sofreu demais com isso nas finais da NBA de 1995. David Robinson sofreu a vida inteira. A mecânica dos movimentos de Kareem era perfeita.

LBJ aprendeu o macete do movimento e nos playoffs e na final da temporada passada ele encheu o picuá de tanto pontuar e dar assistências no “low post”.

Por conta disso, por conta de ver em quadra um jogador mais maduro e mais perfeito em seus movimentos, Hakeem não se surpreendeu com o título do Miami na temporada passada. “Nessa (temporada), ela estará mais à vontade ainda”, disse Olajuwon.

Mas não é apenas a questão técnica e tática que faz Hakeem apostar no Miami. Vejam o que ele falou: “Eu acho que vai ser muito mais fácil para ele. Toda aquela pressão, das pessoas perguntando ‘OK, ele pode fazer isso?’, isso agora é passado”.

Ou seja: LBJ já tem um anel no dedo e aquela obrigação de ter de provar que, “sim, eu posso”, já não existe mais. “O objetivo dele em quadra agora é outro”, disse Hakeem. “Ele não tem mais nada a provar para as pessoas. O que ele vai fazer agora é tirar proveito disso”.

E tirar proveito disso é continuar perseguindo o sonho de ganhar mais anéis. “Essa meta é muito realista”, disse Hakeem, respondendo a si mesmo quando conjecturou a possibilidade de LBJ ganhar três, quatro, cinco anéis ao longo da carreira. “De fato, isso é assustador”, completou.

SONHO?

E agora, José? O que vocês me dizem?

É apenas um devaneio de Hakeem?

DIVIRTAM-SE

Nos três vídeos abaixo, vejam na sequência: 1) Hakeem Olajuwon e todo seu arsenal. No começo tem muitas jogadas no “low post”; 2) LeBron James nesta mesma situação contra o Charlotte; 3) ideam diante do Chicago.

Autor: Fábio Sormani Tags: ,

domingo, 23 de setembro de 2012 Basquete europeu, NBA | 14:40

“SHAQSHEIMEIR” ASSINA COM O REAL MADRID DE OLHO NA NBA

Compartilhe: Twitter

Alertado pelo parceiro GuiZo, vejo no site do “Marca” (diário oficial do Real Madrid) que o bravo Rafael Hettsheimeir assinou contrato com a equipe madrilenha. Rafa atuou no ano passado pelo Zaragoza.

O acordo foi firmado por apenas uma temporada. Os merengues estariam preocupados com a cirurgia que “Shaqsheimier” fez no joelho poucos dias antes das Olimpíadas de Londres, que acabou por deixá-lo de fora do torneio londrino. Em seu Twitter, Rafa escreveu no dia 14 passado: “Estou na reta final de minha recuperação. Em 20 dias estarei à disposição”.

Essa, pelo menos, é a leitura que se faz num primeiro momento. Num segundo, podemos entender que foi Rafa quem pediu um acordo anual, pois tem em mente jogar na NBA na próxima temporada. Ele fez uns “tryouts” com o Dallas neste verão norte-americano, mas não vingou. Talvez os texanos tenham pedido a ele uma temporada no Madrid para depois contratá-lo; quem sabe?

Isso ou aquilo, não importa. O que interessa é que Rafa está com os joelhos saudáveis e vai jogar em uma equipe de ponta do basquete europeu. O “Marca” anuncia que Hetts torna-se o primeiro jogador brasileiro a atuar no Real Madrid. Mas Marcia Melsohn, minha ex-companheira de “Folha de S.Paulo”, basqueteira de primeira linha, faz a correção: segundo Marcia, na década de 1970, Ciço, morto precocemente, jogador do Continental, atuou pelo Real Madrid; ele sim, o primeiro brasuca a jogar pelos merengues.

O técnico Pablo Laso já avisou: será o pivô titular dos merengues.

Rafael Hettsheimeir está com 26 anos. Chegaria à NBA com 27. Ótima idade, já maduro e personalidade esportiva praticamente formada.

Seu grande adversário, no entanto, é o tamanho. Hetts tem 2,08m, mas ele é forte pra chuchu, diga-se. Mas se ele tivesse uns três centímetros a mais duelaria de igual para igual com qualquer pivô do planeta. Mas, sei não, sua atitude, sua bravura são tamanhas que mesmo com esses três centímetros a menos dá pra cravar que Rafa vai duelar, no futuro, de igual para igual com qualquer pivô do planeta. Até mesmo Dwight Howard.

Discorda?

Autor: Fábio Sormani Tags:

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. 10
  8. 20
  9. 30
  10. Última